Como adaptar o website do hotel ao mobile?

Com o estudo do Google que temos vindo a mostrar, temos descoberto a forma e as situações em que os viajantes utilizam o mobile para visitar o website do hotel em vez de um computador.

É essencial que os hoteleiros adaptem a sua presença online aos mais recentes dispositivos eletrónicos, uma vez que a sua utilização influencia as atividades realizadas na web relacionadas com viagens, como pesquisas, reservas, etc.

Mas como pode a indústria hoteleira tornar-se mais próxima dos seus clientes através destas tecnologias de informação?

As seguintes frases revelam quais são as necessidades dos viajantes que usam o mobile para visitar o website do hotel.

  • Rapidez: “Eu diria que rapidez é a chave. Quero que os sites que eu visito no meu telemóvel sejam rápidos.”
  • Design: “Gostaria que os Websites mudassem o seu aspeto ou formatos para serem mais compatíveis com o Tablet e o telemóvel.”
  • Ação: “Eu usaria (o meu Tablet) para tudo se ele fosse mais compatível com os sites que visito.”

Os clientes dos estabelecimentos hoteleiros querem que o website do hotel que visitam nos dispositivos mobile seja rápido (precisam de solucionar os seus problemas de forma quase instantânea), seja visualmente fácil de consultar e seja eficiente para que possa, por exemplo, reservar uma estadia via Smartphone.

Desta maneira, não há dúvidas que os hotéis têm de apostar não só na sua presença na “Web” como na compatibilidade da mesma com os novos dispositivos eletrónicos, para assim satisfazerem eficazmente os seus clientes.

Baixe o estudo completo aqui!

Fonte: www.google.com


About The Author

Joana Alves

Joana Alves exerce funções de copywriter no HotelBuzz. Licenciou-se em Publicidade e Marketing, vertente Publicidade e gosta de ter ideias como passatempo. Quer fazer da escrita criativa a sua vida, independentemente do formato, daí ir trabalhando no seu blogue: “O Meu Primeiro Nome”. Colaborou no gabinete de comunicação da Associação das Universidades de Língua Portuguesa, produzindo e gerindo conteúdos e fez parte do projecto “Game On” no programa Erasmus, onde colaborou no desenvolvimento de um jogo digital educacional.